Cross Country

Campeonato Brasileiro de Rally

Maiores campeões da história do Rally dos Sertões disputam a edição 2016

São sete, uma nos Carros e seis nos Caminhões, categoria que não é mais disputada.
São Paulo (SP) – Na galeria dos campeões do Rally dos Sertões, alguns nomes se destacam pelos títulos obtidos ao longo dos 24 anos de uma das maiores provas off-road do planeta. Nas Motos, o maior vencedor é Jean Azevedo, com seis conquistas. Nos Carros, Guilherme Spinelli tem cinco. Edu Piano, entretanto, aparece como o maior ganhador individual. São sete, uma nos Carros e seis nos Caminhões, categoria que não é mais disputada. Todos eles participam da 24ª edição do Rally dos Sertões, que terá largada em Goiânia (GO), dia 3 de setembro, e chegada em Palmas (TO), no dia 10. “O Rally dos Sertões é uma prova que eu acompanho desde o início e testemunho seu crescimento e o profissionalismo com que é feito. Faz parte da minha história. Eu tenho uma ligação muito forte com o Sertões”, afirma Jean Azevedo, que ganhou em 1995, 2000, 2002, 2004, 2005 e 2015, e neste ano busca a sétima conquista, com um Honda CRF 450X. Guilherme Spinelli, o Guiga, venceu o Rally dos Sertões em 2003, 2004, 2010, 2011 e 2014. O piloto da Mitsubishi correrá com o navegador Youssef Haddad e considera o Sertões “o maior desafio em terras brasileiras”. Edu Piano, que em 2005 faturou o título nos Carros e depois venceu na Caminhões em 2007, 2008, 2009, 2011, 2013 e 2014, tem uma longa história com a prova. “O Rally dos Sertões representa mais que um desafio e uma superação, representa uma lição de vida e uma meta que tenho todos os anos desde 1996. Em cada edição aprendemos uma coisa nova. Seja em termos de estratégia ou de experiência pessoal”, afirma. Neste ano ele corre entre os pilotos de UTVs. Campeão da categoria Carros em 2015, Reinaldo Varela, também tem estreitas relações com o Sertões. “É a prova mais importante do automobilismo brasileiro e uma das mais importantes do mundo. É a mais bem organizada do país”, afirma o piloto, que participa do Sertões desde 1997. Confira a programação e a descrição de cada uma das sete etapas do Rally dos Sertões 2016
SEXTA-FEIRA (02/09) – Autódromo de Goiânia
12h às 13h – Coletiva de Imprensa
15h às 17h – Carreata dos veículos do Rally dos Sertões em Goiânia SÁBADO (03/09)
8h às 9h30 – Posicionamento dos veículos no Parque Fechado (Autódromo)
10h às 14h – Prólogo na Cidade Alpha Goiás (Senador Canedo)
10h30 – Largada da 1ª Moto (Na sequência largarão Quadris, UTVs e Carros)
14h – Encerramento do Prólogo
15h às 16h – Posicionamento Motos/Quadris e UTVs no Parque Fechado
16h às 17h – Posicionamento Carros no Parque Fechado
18h30 – Largada Promocional (Autódromo Internacional de Goiânia) Total da prova: 3.212,17 km
Total de trechos cronometrados: 2.357,17 km
74% de trechos cronometrados (recorde em 24 anos de história) 04/09 – Etapa 1
Goiânia (GO) – Padre Bernardo (GO)
Deslocamento inicial: 248,43 km
Trecho especial: 111,79 km
Deslocamento final: 4,32 km
Total do dia: 364,54 quilômetros
Descrição da etapa:
A especial começa com muitas subidas e descidas. Em uma região montanhosa, com muitas trilhas estreitas e sinuosas, com abismos dos dois lados e muitos tops sem visão. O que exige total concentração dos pilotos e navegadores. O piso predominante é o cascalho e a piçarra. Será uma especial de média velocidade, com poucas retas e a poeira será muito intensa. 05/09 – Etapa 2
Padre Bernardo (GO) – Cavalcante (GO)
Deslocamento inicial: 34,27 km
Trecho especial: 374,84 km
Deslocamento final: 9,19 km
Total do dia: 418,3 quilômetros
Descrição da etapa:
A especial terá início próximo a Mimoso de Goiás e será uma das mais técnicas e duras de todos os tempos. A largada será em zona agrícola, com longas retas. A competição segue por estradas de fazendas bem estreitas, sinuosas e com muitas lombas e lombadas. A prova continua por uma região montanhosa, com muitas pedras, lajes e zonas de trial com grandes erosões. A prova fica mais rápida e com todos os tipos de terreno (cascalho, piçarra, pedras grandes e lajes), alternando trechos de média e baixa velocidade. No último quarto da especial a prova fica bem veloz, seguindo assim até a última descida de serra, próximo a Cavalcante. 06/09 – Etapa 3
Cavalcante (GO) – Posse (GO)
Deslocamento inicial: 22,95 km
Trecho especial: 376,41 km
Deslocamento final: 244,12 km
Total do dia: 643,48 km
Descrição da etapa:
Será mais uma especial muito técnica e complicada. No início haverá estradas sinuosas, com muitas erosões e depressões. A prova prossegue por uma região montanhosa, com muitas subidas e descidas fortes e com trechos de trial. A prova se mantém sinuosa por estradas menores e com velocidade média. Mais à frente, prossegue por estradas de alta velocidade. O roteiro alterna trechos de média e alta velocidade, com muita navegação até o último trecho, onde a velocidade aumenta novamente e segue assim até o final. O piso predominante é o de cascalho. Porém, com muitas pedras, estradas de piçarra e pequenos trechos de areia. 07/09 – Etapa 4
Posse (GO) – Luís Eduardo Magalhães (BA)
Deslocamento inicial: 14,62 km
Trecho especial: 361,94 km
Deslocamento final: 183,59 km
Total do dia: 560,15 km
Descrição da etapa:
O Rally dos Sertões deixa o estado de Goiás e entra na Bahia. A especial deste dia começa bem próximo a Posse. Completamente diferente das anteriores, trata-se de uma prova bem rápida, com longas retas em áreas agrícolas de altíssima velocidade e muita navegação. A expectativa é que se registre as maiores velocidades da prova. O piso predominante é a piçarra. Porém, há longos trechos sinuosos e com areia. Segue assim até o seu último quarto, quando voltam as longas retas, com muitas lombas e depressões. Seguindo assim até o final do trecho cronometrado, no Km 40 da BR-020. 08/09 – Etapa 5
Luís Eduardo Magalhães (BA) – Mateiros (TO)
Deslocamento inicial: 35,47 km
Trecho especial: 425,67 km
Deslocamento final: 00 km
Total do dia: 461,14 km
Descrição da etapa:
Em Luís Eduardo Magalhães tem início a etapa maratona, na qual somente pilotos e navegadores podem fazer a manutenção de seus veículos. A especial terá início na Cachoeira do Acaba Vidas, na BA-458, com estradas bem sinuosas, muitas lombas e depressões. A prova prossegue por um longo trecho sinuoso e estreito, com estradas de piçarra e trechos com areia, o que exige muita navegação. Com três quartos da prova o ritmo aumenta novamente. Serão longas retas de alta velocidade. Seguindo assim até o trecho final, com muita areia na trilha. 09/09 – Etapa 6
Mateiros (TO) – Ponte Alta (TO)
Deslocamento inicial: 00 km
Trecho especial: 514,98 km
Deslocamento final: 5,97 km
Total do dia: 520,95 km
Descrição da etapa:
Esta será uma das etapas mais técnicas e difíceis de toda a história do Rally dos Sertões. A largada será no portão do parque de apoio. A especial começa travada, em estradas sinuosas e com piso arenoso. Segue por trechos de savanas, onde a navegação será primordial. A prova continua por estradas de piçarra e trechos arenosos, já no deserto do Jalapão. Depois do areião, há um trecho de trial e, no último quarto de prova, estradas menores de fazendas até o final. 10/09 – Etapa 7
Ponte Alta (TO) – Palmas (TO)
Deslocamento inicial: 4,61 km
Trecho especial: 191,54 km
Deslocamento final: 47,46 km
Total do dia: 243,61 km
Descrição da etapa:
Esta etapa fecha o Rally dos Sertões 2016 com chave de ouro. A especial terá início bem próximo a Ponte Alta e segue por estradas de piçarra, com trechos sinuosos de altíssimas velocidades. Na sequência, aparecem estradas menores, com erosões, riachos, depressões e pedras. No último trecho, a prova fica rápida novamente e segue assim até a última descida da serra. O final da especial será em Taquaruçu, na TO-030. Dali, carros, motos, quadris e UTVs seguem em deslocamento até a praia da Graciosa, em Palmas. O Rally dos Sertões tem patrocínio da Honda, Mitsubishi e Outback. Apoio de Pirelli e Cidade Alpha Goiás (empreendimento da Alphaville Urbanismo). Apoio institucional do Governo do Tocantins e Governo de Goiás, através do Detran-GO, com o Programa Balada Responsável. Jornalistas responsáveis: Ricardo Ribeiro / Nilton Valentim
Foto: Ricardo Leizer/Vipcomm