CBA amplia formação do Conselho Técnico Desportivo Nacional

CBA amplia formação do Conselho Técnico Desportivo Nacional

User Rating: 5 / 5

Giovanni Guerra reestruturou o CTDN, que agora conta com cinco membros permanentes. O presidente da Comissão Nacional de Rally, Haroldo Scipião, faz parte da nova composição

 

O presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo, Giovanni Guerra, reformulou a composição do Conselho Técnico Desportivo Nacional, órgão responsável pela homologação de todos os regulamentos técnicos e esportivos das competições sob a alçada da CBA. A partir de agora, em lugar do modelo antigo que consistia em uma única pessoa, terá cinco membros efetivos.

A presidência do CTDN continuará sendo exercida pelo diretor de provas Carlos Montagner, que terá como pares o presidente da Comissão Nacional de Rally Haroldo Scipião, o ex-presidente do órgão Nestor Valduga, o chefe de equipe Fábio Greco e o engenheiro Eduardo Polati.

Veja também:

CBA lança edição 2021 do protocolo contra Covid-19 no automobilismo brasileiro CBA lança edição 2021 do protocolo contra Covid-19 no automobilismo brasileiro
Conjunto de ações educativas e de prevenção visa a retomada das atividades automobilísticas na atual temporada sob máxima segurança...
CBA promove encontro inédito com promotores do automobilismo brasileiro CBA promove encontro inédito com promotores do automobilismo brasileiro
Todas as categorias e modalidades estiveram representadas por 26 profissionais...

ctdn haroldoHaroldo Scipião é integrante da nova composição do CTDN

“O automobilismo brasileiro atingiu tal nível de profissionalismo, sempre em constante evolução técnica e desportiva, que passou a ser humanamente impraticável toda a responsabilidade de CTDN sobre uma única pessoa. Foi por esse motivo que ampliamos sua estrutura, criando um colegiado de excelência”, explicou Giovanni Guerra. “Dentro da transparência de nossa gestão, a capacidade técnica foi o elemento fundamental para que o CTDN pudesse ter a nova formação”, completou.

A dinâmica de trabalho será baseada no colegiado e na troca de experiências. As decisões serão tomadas em conjunto, a partir de pareceres individuais sobre cada tema. De acordo com Carlos Montagner, todo regulamento que for entregue ao CTDN passará por um processo criterioso, antes da sua homologação.

“Quando o promotor apresentar o regulamento ao CTDN, distribuirei para todos os membros e presidentes de comissão, nesse caso para que os comissários técnicos e desportivos opinem, pois convivem no dia a dia com a fiscalização e sabem das dificuldades”, relacionou Montagner.

“Na volta de todos os pareceres, o CTDN faz as modificações necessárias e encaminha para o Departamento Jurídico, que verifica as questões legais”, continuou o presidente do Conselho, acrescentando que “cumprida essa fase, o regulamento volta para o promotor e explicamos o que foi modificado e o motivo. Havendo a concordância geral, vai para homologação”. O prazo de resposta em casa etapa é de no máximo dois dias.

Para a atual temporada, por força dos novos procedimentos, está havendo certa flexibilidade quanto ao prazo de entrega dos regulamentos, mas para 2022 será solicitada maior celeridade quanto à definição das regras por parte dos promotores.

Texto e foto: Confederação Brasileira de Automobilismo